BUSCAR NOTÍCIA

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_

Especial: Corintiana, estudante de medicina revela loucura realizada para acompanhar final da Libertadores de 2012

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

Da Redação
São Paulo, 01 de agosto de 2017

Não é somente a fé que move montanhas neste universo, mas também o futebol. Para a corintiana Cintia Andrade, que estuda medicina no Paraguai, a ordem é não medir esforços quando o assunto é o time do coração. Na Bolívia, ela encarou uma situação que poderia ser constrangedora para qualquer outra mulher, mas não pra ela, que acompanhou a final da Copa Libertadores de 2012 em um boteco boliviano.

“Quando estudava medicina na Bolívia em 2012, procurei algum lugar para acompanhar a final da Libertadores, até por que em casa só passava os canais da Bolívia. Achei um boteco cheio de bolivianos. Só homens e só eu de mulher. Fiquei lá sozinha até o final do jogo assistindo com eles. E gritava, xingava e chorava. Foi uma loucura só”, revelou a estudante de medicina.

Acostumada as mais diversas aventuras em solo sul-americano, Cintia ressalta que a última partida em que acompanhou uma partida do Corinthians foi no ano de 2015 no Paraguai. A partida contra o Guaraní, válida pela fase oitavas de final da competição internacional, terminou com a vitória dos paraguaios por 2 a 0.

“Já faz muito tempo que fui em um estádio. A última vez que vi o Corinthians jogar foi no Paraguai em 2015, por que estudo medicina fora no Paraguai, porém, sempre acompanho o que acontece com o meu time. Naquele jogo até zoaram dizendo que eu era o açúcar Guarani”, descreveu a morena.

Ela também destacou que a mística e as características históricas que descrevem o clube e seu torcedor, o fizeram ganhar a admiração pelo Alvinegro paulista. Além dos aspectos destacados, a estudante demonstrou ter conhecimento da história do clube de Parque São Jorge, e desde, então, se intitula uma integrante do “Bando de Loucos”.

“O que me levou a torcer para o Corinthians foi a garra que temos em campo, pela torcida que é realmente um bando de loucos, pela história desse clube. Isso tudo isso só foi crescendo dentro da minha pessoa. E me fazendo enxergar não apenas um time de futebol, mas um clube cheio de histórias marcantes, com muita raça e lealdade”, concluiu.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_