BUSCAR NOTÍCIA

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_

Carioca: Vinicius Junior celebra quinto gol contra a Cabofriense na Ilha do Urubu: “Virou minha casa”

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

Da Redação
Rio de Janeiro, RJ, 21 de janeiro de 2018

Para Vinicius Junior, o estádio Luso-Brasileiro, apelidado pelo torcida do Flamengo de Ilha do Urubu, já virou um estádio da sorte. Na vitória diante da Cabofriense por 1 a 0, na noite deste domingo, 21, o jovem marcou seu quinto gol pelo Rubro-Negro carioca, todos feitos no mesmo local. Após a partida, Vinicius, que utilizou a camisa 10 pela primeira vez no profissional, falou com a imprensa sobre o resultado.

“Acabou virando minha casa junto com a torcida do Flamengo. Hoje só foi no gol diferente, ali pertinho da torcida. Foi mais bonito e mais emocionante. Utilizar a camisa 10 no profissional pesa bastante, pois ela é do nosso Rei Zico. Fico muito feliz pela oportunidade”, afirmou Vinicius.

Durante a partida, foi possível observar inversões entre o camisa 10 e Lucas Silva, que também subiu pela lateral e criou boas chances para o Fla. “Carpegiani pediu essa troca de posições. Comecei pela direita, já que iniciamos a partida com dois atacantes. Depois troquei com o Lucas Silva, pois na base jogávamos assim, eu na esquerda e ele na direita. Sinto-me mais à vontade desta forma. Estou evoluindo nesse ponto a cada dia”, comentou o jogador.

Após a vitória por 1 a 0 diante da Cabofriense, o zagueiro Léo Duarte e o volante Ronaldo falaram com a imprensa sobre o duelo e os próximos confrontos do Flamengo na Taça Guanabara. “Gosto de usar a velocidade, pois ajuda nos contra-ataques e em matar jogadas rápidas do adversário. Tento aproveitar muito isso sempre. Me senti bem fisicamente, pois a pré-temporada está sendo muito boa. Apenas no fim que sentimos o cansaço, mas é natural. Faz dois anos que estou no profissional e quero ajudar mais esse ano”, afirmou o camisa 4.

Para Ronaldo, o desempenho na partida não agradou. “Melhoramos no segundo tempo, mas não chegamos ao ideal. Precisávamos mesmo ficar mais com a bola. Sofremos alguns ataques da Cabofriense que não precisava, mas demos tudo que o Carpegiani pediu, raça, garra. Vamos trabalhar para melhorar na quarta. Foi um jogo complicado, pois eles são um time mais agrupado, que sabe ficar com a bola. Sabemos que pode ser uma dificuldade, mas é bom para testar-nos nossa equipe. Aos poucos vamos entrando em sintonia para sempre melhorar”, concluiu.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_