BUSCAR NOTÍCIA

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_

Opinião: O árbitro de vídeo: implantar no Brasil ou não?

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

Coluna Esporte na Rede, por Leandro Martins
São Caetano do Sul, SP, 15 de fevereiro de 2018

Sim!!!!! Já deveria ter sido implantado no ano passado. Infelizmente, a “Como Boicotar o Futebol” (novo significado que dei à sigla CBF), aprontou mais uma vez. Ofereceu aos clubes a implantação do árbitro de vídeo somente no segundo turno do Brasileirão deste ano. Além disso, apresentou um orçamento absurdo (outras empresas oferecem o serviço mais barato!!) de 20 milhões de reais de custos para o funcionamento do VAR. Pior. Alega que o Brasileirão dá prejuízo e que os custos deveriam ser repassados integralmente aos 20 clubes que disputam a Série A.

Da parte dos clubes, outra decepção. Doze votos contra a implantação. Da maneira como a proposta foi apresentada, até entendo a negativa da maioria. Implantar somente em um turno não dá, né! Mas é revoltante a falta de vontade de TODAS as partes na aplicação do árbitro de vídeo. Se os clubes acharam a proposta ruim e cara, que brigassem pelo que gostariam que fosse feito! São os clubes que sustentam a CBF! Os presidentes não poderiam aceitar uma proposta ruim de maneira passiva! É de indignar qualquer torcedor.

Bastaria que os cartolas protestassem e trouxessem os orçamentos de outros países, que chegam a ser menores do que o que foi apresentado. Itália, Alemanha, Portugal, já usam a tecnologia! É um caminho sem volta. É inevitável. Não resolve cem por cento os erros do futebol, mas melhora a qualidade da arbitragem. Tira o peso das costas do árbitro, que pode ter o recurso a seu favor. Traz legitimidade e credibilidade à competição. Um campeonato com mais credibilidade, atrai mais patrocinadores. Os próprios clubes poderiam conseguir patrocínios melhores. E a renda das bilheterias certamente aumentaria.

Alguém acredita mesmo que a boicotadora máxima do futebol nacional tem prejuízo com o Brasileirão? Se tiver, é uma incompetência do tamanho do mundo. Não saber vender uma competição como o Brasileirão é algo bizarro!Mas duvido que tenha prejuízo! Só acredita nessa conversinha de que a CBF não tem dinheiro quem quer! Ou quem é muito ingênuo!

Não posso contar o nome do santo, mas o milagre sim. Um amigo meu que frequentou os bastidores da entidade me disse, certa vez, que fora chamado para buscar uma encomenda com o motorista. Não era a função dele, pois trabalhava em um setor bem distinto do que o de transporte de mercadorias. Pois bem. Eles foram. Carro em alta velocidade. Parecia cena de filme de assalto a banco. Quase isso.

O motorista parou. Colocaram uma mala no carro. Abarrotada de dinheiro vivo! Qual o destino da mala e do dinheiro, ele não me disse. Acredito até que nem sabia, pois é uma pessoa do bem. Não se envolve em coisa suspeita. No caso, como disse, ele foi colocado no carro apenas para presenciar a cena. Não era do setor “financeiro”, nem do transporte. “Foi surreal”, revelou-me.

Ou seja, acredita em historinha furada quem quer. Outra questão. Que falta faria um milhão de reais aos clubes da Séria A? Isso é troco do café! Chapecoense e Bahia, que são os dois clubes com menores receitas entre os 20 da Série A, votaram a favor. Aceitariam custear o árbitro de vídeo. E por quê? Pela lisura. para não ver seus times prejudicados por erros grosseiros. Isso tem nome. Retidão, sensatez e vergonha na cara!

Não queria terminar a coluna desta forma, mas sou obrigado. Tomara que os clubes que votaram contra a medida sofram com vários e crassos erros de arbitragem! Que sintam na carne! Que reclamem bastante! Que colham o que plantaram. Que sejam bastante prejudicados. Quem sabe, assim, um dia, vejam a bobagem que fizeram. Futebol, infelizmente, não é um meio de gente séria! Como dizia Sócrates, “o futebol é decidido 60% no campo e 40% fora dele!” Um forte abraço e até a próxima.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_