BUSCAR NOTÍCIA

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_

Libertadores: Mano lamenta que a eliminação do Cruzeiro tenha sido decidida pela arbitragem

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

Da Redação
Belo Horizonte, 5 de outubro de 2018

Diante de mais de 55 mil torcedores, o Cruzeiro fez grande partida, lutou muito, mas se despediu da Libertadores ao empatar com o Boca Juniors no Mineirão pelo placar de 1 a 1. Os gols da partida foram marcados por Sassá, no início da segunda etapa e Pavon, ao apagar das luzes.

O jogo foi bastante conturbado, principalmente pela cera do time argentino e a arbitragem confusa de Andrés Cunha. Ele assinalou jogo perigoso do zagueiro Dedé, em lance que resultou no gol de Barcos, ainda no primeiro tempo.

No segundo tempo, ele chegou a marcar um pênalti para o Cruzeiro, mas voltou atrás alegando impedimento de Barcos no início da jogada, com muito atraso. Além dos lances, o árbitro ainda expulsou Dedé, em lance de falta normal no meio-campo.

O time volta a campo agora somente na próxima quarta-feira, quando enfrentará o Corinthians pela primeira partida da decisão da Copa do Brasil. O jogo está marcado para as 21h45, no Mineirão. O segundo jogo será no dia 17, em Itaquera, em São Paulo.

O técnico Mano Menezes lamentou que a partida não fosse somente decidida dentro de campo. O treinador celeste, analisando os erros da arbitragem, lembrou do lance que acabou na expulsão de Dedé na primeira partida e que foi determinante para o adversário construir uma boa vantagem.

“Quando ficou definido que íamos enfrentar o Boca, sabíamos que seriam dois jogos grandes, difíceis pela qualidade do adversário, mas que também tínhamos condições de passar. Dois grandes, um vai passar, outro vai ficar. Gostaria que só o jogo dentro de campo determinasse a passagem, pois aí estaríamos aqui parabenizando o adversário, como sempre fizemos. Há de saber perder. Mas não foi o que vimos nos 180 minutos´´, declarou, cheio de razão.

“Viemos aqui para descontar 2 a 0, o que é muito difícil, contra adversário como o Boca. Tivemos oportunidades de vencer. Mas, para nossa surpresa, desde o inicio, faltinhas aqui, paralisações, na minha opinião fizemos um gol legal na primeira parte do jogo e que foi mal anulado. Saímos dessa forma. Isso que me deixa chateado. A equipe se entregou, tem suas limitações, mas poderíamos ter passado por esse adversário se as coisas tivessem acontecido numa normalidade, como a gente quer´´, completou.

“Todo mundo sabe o que aconteceu em Buenos Aires (expulsão injusta do zagueiro Dedé). Foi tão absurdo que, numa decisão inusitada, a Conmebol liberou o Dedé para o jogo de volta, ou seja, assumiu o erro lá. O placar lá seria outro se não tivéssemos um jogador a menos em boa parte do jogo. O adversário tem qualidade, se aproveitou´´, finalizou.



Fonte: assessoria de imprensa do Cruzeiro

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_