BUSCAR NOTÍCIA

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_

Opinião: Alguns clubes ainda não escolheram o treinador que vai trabalhar no Campeonato Paulista

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

Coluna Futebol Caipira, por Luiz Ademar
São Paulo, 25 de novembro de 2018

O pontapé inicial na Primeira Divisão do Campeonato Paulista será dado em 20 de janeiro. O regulamento de 2019 será o mesmo de 2018. São 16 clubes divididos em quatro chaves (A: Santos, Ponte Preta, São Caetano e Red Bull Brasil – B: Palmeiras, Guarani, São Bento e Novorizontino – C: Corinthians, Mirassol, Ferroviária e Bragantino – D: São Paulo, Ituano, Oeste e Botafogo). As equipes que estão na mesma chave não se enfrentam. Jogam apenas com os outros 12 adversários. Os dois primeiros de cada grupo se classificam e se enfrentam nas quartas de final. Os dois últimos por pontuação, independente da chave, serão rebaixados.

Como de costume, a troca de treinador no futebol paulista segue a velha máxima das competições nacionais. Duas ou três derrotas seguidas, em torneio de curta distância, e a mudança acontece. Algumas vezes sem a menor necessidade. E, antes mesmo da dança dos técnicos, os clubes tentam planejar, o quanto antes, suas respectivas comissões técnicas. Aqueles que começarão a competição sem saber se terminarão!

Dos quatro clubes grandes, que sempre largam na frente na busca pelo título, dois deles estão com situações indefinidas. No Santos, o técnico Cuca está deixando o cargo para tratar de um problema de saúde. E a diretoria corre atrás de um novo comandante. Já no Corinthians, o treinador Jair Ventura não agradou no Campeonato Brasileiro e tudo indica que está de partida. As negociações com Fábio Carille, que está na Al Wehda, da Árábia Saudita, prosseguem a mil por hora. Pode ser o seu retorno triunfal ao Parque São Jorge.

No São Paulo, que vai disputar a Libertadores de 2019, a diretoria definiu que André Jardine, profissional com vários títulos nas categorias de base de Cotia, será o treinador. E ganhou liberdade para revelar novos talentos no Morumbi.

Tranquilidade mesmo vive o Palmeiras, campeão brasileiro de 2018, que seguirá com o experiente e vitorioso Luiz Felipe Scolari no comando. É verdade que, de acordo com a diretoria alviverde, o Paulistão será tratado como Paulistinha. Um torneio de pré-temporada visando Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão em 2019. Mas, com o forte elenco que tem, é claro, que não é impossível creditar ao Verdão o rótulo de favorito, mesmo jogando com garotos e time reserva.

Entre os clubes médios e pequenos, alguns deles terão em 2019 o mesmo treinador de 2018. É o caso do Botafogo, de Ribeirão Preto, que renovou com Léo Condé após chegar às quartas de final no Estadual, e conseguir brilhar na Série C do Brasileiro, onde garantiu o acesso para a Série B. O mesmo se aplica ao Bragantino, que manteve Marcelo Veiga após também disputar as quartas de final do Paulistão e subir da Série C para a B do Brasileiro.

No Ituano, Vinicius Bergantin também segue no comando da equipe, mesmo sem brilhar no atual Campeonato Paulista, e não lutar pelo título da Copa Paulista. Na avaliação do gestor Juninho Paulista, dentro do que foi projetado pelo clube, ele foi bem e descolou a vaga na Série D do Brasileiro em 2019. A recíproca é a mesma no Mirassol, que valorizou o trabalho de Moisés Egert, que evitou o rebaixamento do Leão Araraquarense no Estadual, e fez bom trabalho com os garotos da base na Copa Paulista.

Outro clube que manteve  ótimo trabalho de 2018 foi o São Caetano. Pintado chegou com o campeonato em andamento, em um clube que estava ameaçado pelo rebaixamento, deu a volta por cima e classificou o Azulão às quartas de final, assegurando vaga na Série D do Brasileiro em 2019. Porém, na Copa Paulista, após brilhar na primeira fase, acabou ficando no meio do caminho.

Já o Novorizontino resolveu apostar na continuidade do bom trabalho feito pelo Londrina na última Série B do Brasileiro, quando bateu na trave e quase garantiu o acesso. Tanto que contratou o técnico Roberto Fonseca, que estava na equipe paranaense, e quatro jogadores que estavam atuando com ele.

O Red Bull Brasil vai manter o ex-zagueiro Antônio Carlos Zago, que chegou durante a Copa Paulista, e levou a equipe às semifinais. E agora terá a tarefa de reformular o elenco, ao lado do dirigente Moraci Santana, em busca de grande campanha. O São Bento também indica continuar trabalhando com Marquinhos Santos, que chegou a Sorocaba com a Série B do Brasileiro em andamento e não decepcionou.

A dúvida está na Ponte Preta, que fez contrato curto com Gilson Kleina. Nos nove jogos no comando da Macaca na Série B, ele venceu sete e empatou dois. Terminou invicto, com o mesmo número de pontos que o Goiás, que subiu para o Brasileirão, mas não conquistou o acesso pelos critérios de desempate. Porém, o brilhante trabalho tende a continuar, embora as negociações estejam apenas começando.

Quem não sabe o que fazer é o Oeste, de Barueri. A equipe só não foi rebaixada na Série B porque na última rodada o Paysandu perdeu em casa. No clube ninguém sabe se Roberto Cavalo seguirá no comando. A diretoria só insiste em desmentir uma parceria com o Red Bull Brasil, que acabaria ocasionando no fechamento, mais uma vez, da equipe da Grande São Paulo.

A Ferroviária vai inovar debutando treinador no futebol paulista. Vinicius Munhoz, que chegou para a Copa Paulista, onde é finalista, vai disputar pela primeira vez, em sua carreira profissional, a Primeira Divisão do  estadual mais disputado do país.

O único clube do Interior atrás de treinador é o Guarani. Umberto Louzer foi dispensado na reta final da Série B e, inclusive, já acertou com o Vila Nova-GO. Adotando a política do bom e barato, o Bugre sonha com Osmar Loss, ex-treinador do Corinthians, que voltou a ser auxiliar. Mas as negociações estão apenas no começo.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_