BUSCAR NOTÍCIA

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_

Covid-19: Governador do Rio Grande do Sul considera difícil retorno do Campeonato Gaúcho

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest
O Internacional (RS) retomou suas atividades na última terça-feira (05) - Crédito: Ricardo Duarte

O Internacional (RS) retomou suas atividades na última terça-feira (05) – Crédito: Ricardo Duarte

Da Redação com Agência Brasil
Porto Alegre, RS, 06 de maio de 2020

Os clubes mais populares do Rio Grande do Sul, Grêmio e Internacional, voltaram a treinar nesta semana adotando medidas de segurança para evitar o contágio do novo coronavírus (Covid-19) entre atletas e funcionários. O campeonato estadual segue suspenso, mas a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) deu um passo na tentativa da retomada da competição, que está paralisada por tempo indeterminado desde o dia 16 de março.

O presidente da entidade, Luciano Hocsman, se reuniu no Palácio Piratini com o governador Eduardo Leite e apresentou um documento com diretrizes de segurança sanitária elaborado pela FGF. Após o encontro, o chefe do executivo estadual prometeu analisá-lo, mas acredita ser difícil a sua implementação neste momento. “Vamos avaliar estes protocolos sugeridos pela federação e considerá-los no próximo decreto que vem até a próxima sexta-feira (08). Qual é o grande desafio?”, disse Hocsman.

“É que o campeonato estadual, como acontece em todo o estado, precisa de uma regra uniforme no território e o protocolo não vai pela uniformidade, mas pela regionalidade, ou seja, cada região vai ter uma bandeira, e cada uma poderá ter que, consequentemente, obedecer, em uma semana, regras mais rigorosas que uma outra região. O que poderá significar que o campeonato teria que, eventualmente, em uma região, seguir um protocolo diferente da outra, e isso gera uma desigualdade, uma falta de uniformidade, o que pode comprometer as condições de se fazer a competição”, explicou.

Sabendo das circunstâncias de incerteza e da dificuldade para liberação, o mandatário da federação concluiu que a conversa foi oportuna para mostrar um projeto de viabilidade do estadual. “Não foi uma proposta, foi uma situação de protocolo, uma minuta, para ser apresentada ao governador e para ser debatida com ele e com seu gabinete de crise”, relatou o mandatário da Federação.

Eduardo Leite ainda explicou que, caso o campeonato seja liberado para reiniciar, duraria aproximadamente dois meses para ser concluído, tempo considerado longo, tendo em vista que restam poucas partidas para encerrar a competição: “Levaria, talvez, até 2 meses para ser concluído, entre o tempo preparatório de remobilização, os treinos e o período necessário para os jogos. É absolutamente impossível neste momento conseguir fazer uma projeção do que teremos efetivamente nos próximos 2 meses”.

Mesmo que seja autorizada a disputa das partidas, o governador descarta a possibilidade da presença público: “Seguramente sem público, qualquer atividade com reunião de grande número de pessoas nós só vemos possibilidade no pós-pandemia”, encerrou.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM_