Copa do Brasil: Com arbitragem polêmica em expulsão e gol anulado, Cruzeiro vence Palmeiras

O árbitro Wagner Reway estragou o jogo na vitória da Raposa por 1 a 0 diante do Verdão, na quarta-feira à noite, no Allianz Parque. Os mineiros ficaram inconformados com a expulsão de Edilson. Os paulista reclamaram do gol anulado de Antônio Carlos

Da Redação
São Paulo, SP, 13 de setembro de 2018

O árbitro Wagner Reway foi o grande personagem no duelo de ida das semifinais da Copa do Brasil, na quarta-feira (12/9) à noite, no Allianz Parque, quando o Cruzeiro venceu o Palmeiras por 1 a 0, gol de Barcos no início do primeiro tempo. Os jogadores da Raposa reclamaram da expulsão do lateral Edilson, na etapa final. Já o elenco do Verdão ficou inconformado com o gol do zagueiro Antônio Carlos, anulado aos 52 minutos do segundo tempo.

Edilson deixou o campo balançando a cabeça e falando abertamente que não tinha feito nada para receber o cartão vermelho. Já o árbitro, em leitura labial, falou claramente para o jogador do Cruzeiro que o havia expulsado pela ofensa grave: “Você mandou eu me fuder´´, esbravejou Wagner Reway.

“Não sei o que aconteceu na expulsão do Edilson. E agora, com a cabeça quente, não é hora de tocar nesse assunto. Deixei para conversarmos amanhã (sexta-feira), na reapresentação do elenco´´, minimizou o técnico Mano Menezes, deixando transparecer que vai conversar inclusive com os jogadores que estavam próximo da jogada.

Já o gol anulado do Palmeiras foi tenebroso. O goleiro Fábio saiu mal do gol e dividiu a bola com os companheiros Léo e Egídio e com o palmeirense Edu Dracena, que estava com o braço aberto. Porém, não houve falta. Na disputa pela bola, o camisa 1 do Cruzeiro a soltou e o zagueiro Antônio Carlos empatou a partida. Porém, Wagner Reway marcou falta antes da conclusão da jogada, o que inviabilizou a consulta do lance pelo VAR.

“O Sergio Corrêa, da Comissão de Arbitragem, responsável pelo VAR, esteve no meu vestiário antes do jogo e disse para avisarmos os jogadores que lance capital era para seguir até o fim porque depois eles veriam o VAR. Mas tudo que nos foi dito não aconteceu. O árbitro parou o lance antes, de maneira precipitada, contra recomendação deles próprios, impedindo o gol do Antônio Carlos´´, reclamou Alexandre Mattos, o diretor de futebol do Palmeiras

Inconformado com a postura do árbitro Wagner Reway, o técnico Luiz Felipe Scolari impediu os jogadores de darem entrevista, de cabeça quente, assim que acabou a partida. E Alexandre Mattos meteu a boca no VAR.

“O erro aconteceu porque o árbitro, de maneira precipitada, contra recomendação do Sérgio Corrêa e outras quatro
pessoas que foram em nosso vestiário, nos orientaram. Não estamos preparados para o VAR. Gera mais polêmica, mais irritação e coloca dúvida em tudo que tá acontecendo´´, criticou Mattos.

O goleiro Fábio, por sua vez, não reclamou de falta no lance que originou o gol do Palmeiras. Porém, no final da partida, deu uma entrevista curiosa.

“Eu fui tocado por alguém quando saiu para cortar a jogada e o juiz deu falta. Foi isso que aconteceu´´, explicou Fábio, sem saber que pela imagem da TV ele tromba com o lateral Egídio, seu companheiro, que acabou o tocando.

Com a derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, o Palmeiras vai precisar ganhar por dois gols de diferença, no Mineirão, para garantir sua presença na final da Copa do Brasil. Vitória por um gol de diferença levará a decisão para os pênaltis. A Raposa, com o apoio da sua torcida, jogará pelo empate no próximo dia 26 de setembro.