Libertadores: Aplicação tática, raça e determinação na vitória fora de casa do Cruzeiro diante do Huracán

Mesmo pressionada na etapa final, a Raposa jogou muito melhor no primeiro tempo, quando fez 1 a 0, gol do meia Rodriguinho, e assegurou os três pontos em sua estreia no Grupo B do principal torneio sul-americano diante dos argentinos

Da Redação
Buenos Aires, ARG, 7 de março de 2019

Com muita raça, aplicação tática e determinação debaixo de muita chuva, principalmente no início da partida, o Cruzeiro estreou na Libertadores com grande vitória em cima do Huracán por 1 a 0, no estádio El Palácio, em Buenos Aires, pelo Grupo B. Rodriguinho, ainda no primeiro tempo, foi o autor do gol.

“Jogamos com muita raça, brigamos em todas as divididas e lutamos o tempo todo. O time inteiro de está de parabéns. Faltou o meu gol. Tive até uma grande oportunidade, mas preferi desviar de cabeça porque o Ariel estava sozinho. Mas não deu certo. Tudo bem! O importante é que vencemos´´, festejou o artilheiro Fred.

Quem também deixou o campo satisfeito com o desempenho da equipe, em especial na marcação ao longo do segundo tempo, quando o Huracán pressionou foi o lateral direito Edilson.

“Nossa cobrança antes da partida deu resultado. No ano passado começamos mal a Libertadores e não poderíamos repetir o mesmo desempenho. Respeitamos o Huracán, mas tínhamos que vir até Buenos Aires e conquistar os três pontos. E fizemos tudo com muita raça´´, analisou.

O JOGO

O primeiro lance de grande perigo foi da Raposa. Robinho bateu o escanteio aos 12 minutos e Rodriguinho mandou para o gol com grande perigo. O goleiro Antony Silva espalmou e a zaga afastou o perigo.

A chuva torrencial atrapalhava as duas equipes. Aos 29 minutos, Fred recebeu na entrada da área e ajeitou para Robinho, que lançou por cima da zaga e Rodriguinho bateu na saída do goleiro argentino: 1 a 0 Cruzeiro.

Aos 44 minutos, falta na entrada da área para o Huracán. A bola foi rolada para o lado e Gamba arriscou de canhota, mas por cima do gol defendido por Fábio.

No último lance do primeiro tempo, Rafinha viu a infiltração de Egídio e lançou, o lateral avançou pela esquerda, e tocou na saída do goleiro. Antony Silva chegou abafando e evitou o segundo gol da Raposa.

Segundo tempo

O Cruzeiro começou a etapa final pensando em ampliar o placar. O primeiro lance de perigo veio aos nove minutos. Edilson recebeu pela direita e cruzou na cabeça de Fred, que desperdiçou.

O Huracán insistia em jogadas pela direita e os cruzamentos acabavam nas mãos do goleiro Fábio, que mostrava muita segurança na partida.

O time argentino buscava o empate. Aos 23 minutos, Gamba tabelou e recebeu na entrada da área, o chute pegou em Murilo e saiu com perigo pela linha de fundo. Dois minutos depois, o Huracán chegou com perigo por duas vezes, primeiro com Barrios, que passou pelo Fábio e chutou, mas Murilo tirou na linha.

Aos 30 minutos, Fred recebeu grande cruzamento na área e ajeitou para trás, a zaga chegou na hora e afastou o perigo. No último lance do Huracán, já quatro minutos depois do tempo, o lateral esquerdo do Huracán avançou na intermediaria e arriscou, Fábio fez a defesa e, no rebote, pegou de novo.

HURACÁN 0 X 1 CRUZEIRO

Libertadores – Grupo E – 1ª rodada
Local: Estádio El Palácio, Buenos Aires
Árbitro: Diego Haro, auxiliado por Jonny Bossio e Jesus Sánchez, todos do Peru
Gol: Rodriguinho, aos 29 minutos do primeiro tempo
Cartões amarelos: Rafinha, Lucas Romero, Murilo, Léo, Fred e Egídio (Cruzeiro); Roa e Chimino (Huracán)

Huracán
Antony Silva; Chimino, Mancinelli, Salcedo e Alderete; Damonte, Rossi (Toranzo) e Roa (Chavéz); Auzqui (Mendoza), Gamba e Lucas Barrios
Técnico: Antonio Mohamed

Cruzeiro
Fábio; Edilson, Murilo, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Romero (Ariel Cabral), Robinho, Rafinha (Marquinhos Gabriel) e Rodriguinho (Fabrício Bruno) ; Fred
Técnico: Mano Menezes