Libertadores: Em pleno Mineirão, Atlético-MG perde para Cerro Porteño (PAR) e recebe vaias

Com 38.736 torcedores no Gigante da Pampulha, com renda de R$ 1.738.540,00, o Galo negou fogo em sua estreia na principal competição sul-americana. Sem jogar grande futebol e criando pouco, a equipe perdeu do time paraguaio por 1 a 0

Da Redação
Belo Horizonte, MG, 6 de março de 2019

A troca do Horto pela Mineirão não foi benéfica para o Atlético-MG em sua estreia na Libertadores. Mesmo atuando em casa, nesta quarta-feira (6/3), pelo Grupo E, com o apoio de quase 40 mil torcedores, o Galo apanhou do Cerro Porteño, do Paraguai, por 1 a 0, e deixou o gramado do Gigante da Pampulha debaixo de muitas vaias pela apatia e falta de poderio ofensivo ao longo de toda a partida. Churin, aos 32 minutos do segundo tempo, foi o autor do gol.

“Faltou um pouco mais de toda a equipe, eu mesmo chutei uma bola que pegou na trave, mas futebol é assim, às vezes acontece isso. Ainda faltam muitos jogos, vamos tentar mostrar algo diferente para a torcida e reverter esse resultado ganhando na terça-feira, no Uruguai´´, disse o equatoriano Cazares.

Já o técnico Levir Culpi preferiu uma análise mais sensata da partida. E afirmou que Churin estava um pouquinho a frente dos zagueiros do Galo e marcou gol impedido.

“O time teve equilíbrio dentro da partida e o gol deles estava impedido, então, o jogo seria, no mínimo, zero a zero. Criamos muito mais oportunidades do que eles, jogamos melhor e estivemos muito mais próximos da vitória. Na Libertadores, os jogos são todos assim, não tem time fraco. Tivemos a iniciativa e as melhores oportunidades, mas faltou competência na finalização. Tivemos alguns erros, claro, mas todos se esforçaram, se empenharam. O resultado foi a pior coisa do jogo´´, analisou o treinador, emedando em seguida.

“Eles jogaram por uma bola e foi ilegal. Faltou para nós competência para matar o jogo, vencer a partida. Não faltou vontade e nem a parte tática, o time dominou o jogo e teve as melhores oportunidades”, acrescentou o comandante alvinegro, acreditando que o Galo tem totais condições de recuperar os pontos perdidos em Montevidéu.

“No próximo jogo, essas oportunidades vão se repetir e, se estivermos mais felizes nas finalizações, traremos vitória de lá. Tem muita coisa pela frente ainda, vamos aprender com essa derrota e virar isso aí´´, afirmou Levir Culpi.

O JOGO

No primeiro tempo, as duas equipes criaram poucas oportunidades de gol. O Galo, geralmente em chutes de fora da área, foi um pouco mais contundente. Tanto que Cazares, em chute que desviu na zaga, carimbou a trave. E, no rebote, Ricardo Oliveira finalizou para fora.

Na etapa final, o Galo partiu para cima do Cerro Porteño, mas outra vez não conseguiu pressionar tanto e criou poucas chances de gol. Novamente as alternativas foram os chutes de fora da área. Aos 32, o time paraguaio abriu o placar após cruzamento da esquerda, que Churín, de maneira desengonçada ao matar a bola, enganou o goleiro Victor e fez 1 a 0.

Na base do tudo ou nada, o Atlético-MG correu atrás do empate. Na melhor oportunidade, após tabela pelo lado esquerdo, o lateral Fábio Santos batei forte, na entrada da área, mas o goleiro defendeu. No fim, os 38.736 que compareceram ao Mineirão vaiaram a equipe

Na próxima semana acontece a segunda rodada do Grupo E, quando o Galo vai até o Uruguai para encarar o Nacional-URU, terça-feira (12), às 21h30, no estádio Parque Central. O Cerro Porteño, em casa, pega o Zamora-VEZ, quarta-feira (13), às 19h15.