Série A: Fábio Carille destaca equilíbrio da equipe após vitória no Maracanã sobre o Fluminense

Técnico do Corinthians falou ainda sobre as chances de gols criadas, Giovanni Augusto e ressaltou, mais uma vez, o mantra de “jogo a jogo”, adotado desde o início do Brasileirão

Da Redação
São Paulo, SP, 24 de julho de 2017

“O que uma comissão técnica busca num time é equilíbrio, e hoje tivemos o tempo todo, jogando com bola ou sem, triangulações, aproximação”. Foram com estas palavras que o técnico do Corinthians, Fábio Carille, iniciou sua entrevista coletiva após a vitória conquistada fora de casa, no Maracanã, diante do Fluminense, em partida válida pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“Se a gente tivesse acertado o último passe poderia ter feito até mais gols. Saio feliz com o rendimento. A questão dos empates era mais para fora do que nós mesmos, o que me preocupa é o rendimento. Mas jogamos contra o Atlético-PR e Avaí para vencer, não penso nessa história de invencibilidade e saio daqui satisfeito com o jogo”, explicou o treinador do Timão.

O comandante falou também sobre o substituto de Jadson – com uma lesão na costela –, Giovanni Augusto, autor da assistência no gol de Balbuena: “Jogou acima do esperado pelo tempo que ficou fora. Ergueu a bola, fez triangulações, fez tudo muito bem. Jogar fora de casa contra Fluminense, Grêmio, qualquer equipe desse porte, é natural ser pressionado. Tudo estava dentro do planejado, eu também faço isso, como tirar o Gabriel e colocar o Kazim contra o Avaí. Os jogadores cumpriram o que tinham que fazer”, disse.

Sobre a conquista do título do Brasileirão, Carille respondeu que ainda há muito campeonato pela frente e frisou seu mantra desde o início da competição. “O Grêmio pega o São Paulo amanhã (24), pode diminuir para seis pontos. Não fico pensando em título, é só jogo a jogo”, comentou, emendando no assunto preparação física e concentração.

“A questão da parte física é que todas as equipes vão chegar no mesmo nível, todos jogam quarta e domingo. Sobre desempenho, eu valorizei nossos dois empates. Quando você vence o Palmeiras e depois tem outro jogo é natural que a concentração caia. Falaram tanto do nosso empate contra o Avaí, mas Grêmio e Cruzeiro perderam. Não posso pensar lá na frente, penso no Patriotas e depois no Flamengo”.

Em relação a invencibilidade alvinegra, que já dura 30 jogos, ele entende que o mais importante é o desempenho defensivo da equipe. “Não dá para ficar pensando nisso. Mais do que invencibilidade, o que me traz satisfação é que são 26 jogos sem tomar gol em 43 jogos oficiais no ano. Claro que isso é legal e nos deixa orgulhosos, mas não trago responsabilidade a mais, não falo disso em reuniões, e sim da responsabilidade que existe em cada jogo”, ressaltou.

“Não tem isso de time invencível. Mas que [o Corinthians] é uma das equipes mais organizadas, com certeza, os jogadores sabem o que fazer, têm leitura de jogo, coberturas, mudam-se peças e conseguimos manter o padrão. Time invencível não tem, e sim times que trabalham sério”, concluiu.

Na 1ª colocação do Campeonato Brasileiro da Série A com 40 pontos conquistados em 16 jogos realizados, o Corinthians recebe neste domingo, 30, ás 16h, na Arena São Paulo, em São Paulo (SP), o Flamengo, 4° colocado na competição nacional com 28 pontos ganhos. A partida é válida pela 17ª rodada. Os seis primeiros colocados garantem vaga na próxima edição da Copa Libertadores.